Institutos Nacionales de Ciencia y Tecnología del área de Ciencias Agrarias: estudio de la publicación científica, técnica y tecnológica (2013-2015)

Heloisa Costa, Márcio Matias, Rosângela Schwarz Rodrigues

Resumen


Objetivo. Este artículo aborda la difusión de las publicaciones científicas, técnicas y tecnológicas de los Institutos Nacionales de Ciencia y Tecnología (INCT) del área de Ciencias Agrarias, presentando donde son publicados los resultados de investigación y como es el acceso de la sociedad a esos resultados. El objetivo general es analizar las publicaciones y los objetivos específicos son: a) Identificar las características de los investigadores vinculados a los INCT; b) Clasificar, por tipo, las publicaciones científicas, técnicas y tecnológicas de los INCT, de 2013 a 2015; c) Identificar el tipo de acceso a las publicaciones científicas, técnicas y tecnológicas.
Método. Los métodos usados fueron exploratório y descriptivo, bibliográfico y documental con abordaje cuantitativo.
Resultados. El resultado muestra que los INCT del área de Ciencias Agrarias tuvieron una producción científica, técnica y tecnológica representativa, presentando un total de 13.321 publicaciones, los años de 2013 a 2015. Los Institutos divulgaron sus investigaciones por medio de canales formales e informales, siendo la publicación científica la que presentó un total de 10.972 itens, la técnica 2.196 y la publicación tecnológica presentó un total de 153 itens. Las producciones científicas, técnicas y tecnológicas, publicadas por medio de canales formales representaron el 83% de todos los itens y los canales informales, el 17%. La publicación de artículos en revistas científicas representó el 52% de la producción científica, que fue publicada en 1008 revistas, pertenecientes a 378 editoras diferentes. En relación al acceso, las publicaciones científicas, técnicas y tecnológicas muestran que: el 56% de los itens registrados en el Currículo Lattes de los investigadores no fueron localizados; 35% estaban disponibles en la web, en acceso abierto, y el 9% son obtenidos mediante pago de la búsqueda de los usuários al realizar sus consultas en el catálogo de la biblioteca.


Palabras clave


Ciencias Agrarias; Difusión científica; Institutos Nacionales de Ciencia y Tecnología; Transferencia y acceso a la información

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ABADAL, E. Acceso abierto a la ciencia. Barcelona: Editorial UOC, 2012. (Colección El profesional de la información).

ALBAGLI, S. Ciência aberta em questão. In: ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lucia; ABDO, Alexandre Hannud (Orgs.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: IBICT; Rio de Janeiro: UNIRIO, 2015, p. 9-25.

ALPERIN, J. P. Open Access indicators: assessing growth and use of open access resources from developing regions: the case of Latin America. In ALPERIN, J. P.; BABINI, D.; FISCHMAN, G. (Orgs.). Open Access Indicators and Scholarly Communications in Latin America. Buenos Aires: CLACSO; Buenos Aires: Unesco, 2014.

BATTAGLIA, M. da G. B. A inteligência competitiva modelando o sistema de informação de clientes Finep. Ciência da Informação, Brasília, v. 28, n. 2, May/Aug. 1999. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2015.

BUENO, W. da C. Jornalismo científico no Brasil: os compromissos de uma prática dependente. 1984. 364f. Tese (Doutorado em Comunicação) - Departamento de Jornalismo e Editoração, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

______. Jornalismo científico: revisitando o conceito. In: VICTOR, C.; CALDAS, G.; BORTOLIERO, S. (Orgs.). Jornalismo científico e desenvolvimento sustentável. São Paulo: All Print, 2009. p.157-78.

______. Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação e Informação, Londrina, v. 15, n. esp. p. 1-12, 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2016.

BUFREM, L. S. et al. Produção científica em Ciência da Informação: análise temática em artigos de revistas brasileiras. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 12, n. 1, p. 38-49, jan./abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2016.

CHAN, L.; OKUNE, A.; SAMBULI, N. O que é ciência aberta e colaborativa, e que papéis ela poderia desempenhar no desenvolvimento? In: ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lucia; ABDO, Alexandre Hannud (Orgs.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: IBICT; Rio de Janeiro: UNIRIO, 2015. p. 91-119.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. Chamada INCT: MCTI/CNPq/CAPES/FAPs, nº 16/2014.CNPq, 2014. 38p. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2015.

______. Programa institutos nacionais de C&T: documento de orientação aprovado pelo comitê de coordenação, em 29 de julho de 2008. CNPq, 2008, 12p. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2015.

DELFANTI, A.; PITRELLI, N. Ciência aberta: revolução ou continuidade? Ciência aberta em questão. In: ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lucia; ABDO, Alexandre Hannud (Orgs.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: IBICT; Rio de Janeiro: UNIRIO, 2015, p. 59-69.

DINIZ, M. M. DE M.; OLIVEIRA, M. de. Produção técnica nas agências de fomento à pesquisa: estudo de caso. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 25, n. 1, p. 123-135, jan./abr. 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2016.

GARVEY, W. D., GRIFFITH, B. G. Communication and information processing within scientific disciplines: empirical findings for psychology. Information Storage and Retrieval. v. 8, p. 123-136, 1972.

GONÇALVES, J. E. P. Brasil é o penúltimo em ranking de patentes. Portal CNI, 23 abr. 2014. Disponível em:

< http://anprotec.org.br/site/2014/04/brasil-ocupa-penultima-posicao-em-ranking-de-patentes/>

GONZALEZ-DIAZ, C.; IGLESIAS-GARCIA, M.; CODINA, L. Presence of Spanish universities on scientific digital social networks: case of communication studies. Profesional de La Informacion, v. 24, n. 5, p. 640-647, sep./oct. 2015.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Acesso à informação. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2015.

LARIVIÈRE, V.; HAUSTEIN, S.; MONGEON, P. The oligopoly of academic publishers in the digital era. PLoS ONE, v. 10, n. 6, e0127502, 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2016.

LE COADIC, Y.-F. A ciência da informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 1996.

LEITE, F. C. L. Acesso aberto à informação científica em agricultura: a experiência da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Liinc em Revista, v. 8, n. 2, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 nov. 2015.

MACHADO, J. Dados abertos e ciência aberta. In: ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lucia; ABDO, Alexandre Hannud (Orgs.). Ciência aberta, questões abertas. Brasília: IBICT; Rio de Janeiro: UNIRIO, 2015, p. 201-227.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília, DF: Brinquet de Lemos, 1999.

MUELLER, S. P. M. O periódico científico. In: CAMPELLO, B. S.; CENDÓN, B. V.; KREMER, J. M. (Orgs.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000. p. 73-95.

MUGNAINI, R. Ciência: Análise: Internacionalização é desafio para melhorar qualidade da ciência nacional. Folha de São Paulo Online, abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2016.

NASSI-CALÒ, L. Estudo destaca os modelos de publicação em periódicos científicos do Brasil e Espanha. Scielo em Perspectiva, apr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2016.

PEDROSA, R. H. de L.; CHAIMOVICH, H. Brasil. In: UNESCO. Relatório de Ciência da UNESCO: rumo a 2030: visão geral e cenário brasileiro. BRASIL: UNESCO. 2015, p. 39-57. Disponível em:

. Acesso em: 02 jan. 2016.

PINHEIRO, L. V. R. Fontes ou recursos de informação: categorias e evolução conceitual. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, Rio de Janeiro: IBICT, v. 1, n. 1, 50, 2006. Disponível em; . Acesso em: 20 out. 2015.

PINHEIRO, L. V. R.; VALÉRIO, P. M.; SILVA, M. R. Marcos históricos e políticos da divulgação científica no Brasil. In: BRAGA, G. M.; PINHEIRO, L. V. R. (Org.). Desafios do impresso ao digital: questões contemporâneas de informação e conhecimento. Brasília: IBICT; UNESCO, 2009. p. 257-288

SANCHES MORA, A. M. A divulgação científica como literatura. Rio de Janeiro: Casa da Ciência/UFRJ, 2003

SILVA, R. C. da; HAYASHI, M. C. P. I. Revista Educação Especial: um estudo bibliométrico da produção científica no campo da Educação Especial. Revista Educação Especial, n. 31, p. 117-136, 2008. Disponível em: . Acesso em: 04 jan. 2016.

STUMPF, I. R. C. A comunicação da ciência na universidade: o caso da UFRGS. In: MUELLER, S. P. M.; PASSOS, E.J. L. (Org.). Comunicação científica. Brasília: Universidade de Brasília, 2000. p. 107-121.

RODRIGUES, R. S; ABADAL, E. Scientific journals in Brazil and Spain: alternative publisher models. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 65, n.10, p. 2145-2151, 2014.

TARGINO, M. das G. Comunicação científica: uma revisão de seus elementos básicos. Informação e Sociedade, João Pessoa, v. 10, n. 2, 2000. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2016.

______. Divulgação de resultados como expressão da função social do pesquisador. Intercom, Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 24, n. 1, 2001. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2015.

UNESCO. Relatório de Ciência da UNESCO: rumo a 2030: visão geral e cenário brasileiro. BRASIL: UNESCO. 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2016.

VARELLA, U. do N. et al. Divulgação científica e mídia digital: Estudo comparativo entre a Fapeam e Fapesp. In: INTERCOM, SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES DA COMUNICAÇÃO XXXV CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, Anais... Fortaleza, CE – 3 a 7/9/2012. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2015.




DOI: https://doi.org/10.5195/biblios.2017.390

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2018 Heloisa Costa, Márcio Matias, Rosangela Schwarz Rodrigues

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.