Indexación de imagenes digitales del área de Anatomia: la transposición de imagenes para la escritura

Lorenna Cardoso Rezende, Jussara Rocha Ferreira, Miriam Paula Manini

Resumen


Objetivo. En este estudio exploratorio, se realizó la indexación de documentos, imagenes, del Museo de Anatomia Humana (MAH), Facultad de Medicina (FM) de la Universidad de Brasília (UnB), Brasil, compuesto por imagenes del cuerpo humano obtenidas por medio digital. Metodologia. Pesquisa descriptiva, histórico organizacional que trató de la definición de descriptores (metadatos) para la indexación de 50 objetos provenientes de la colección del museo con la tipología de história natural, área de ciéncias morfológicas, especialidad anatomia humana. Para el análisis cualitativo de las imagenes selecionadas, se utilizó un lenguaje controlado de nominación. Resultados. El análisis documental de las imagenes digitales exigio del equipo la busqueda de literatura específica que permitiese al mismo tiempo la adecuación de la transposición de lo visual para lo verbal, conservandose la precición del lenguaje científico o anatómico de forma ordenada. Conclusiones. El análisis documental de las imagenes de cadáveres humanos y partes, referentes a objetos de la colección del MAH, permitirá la recuperación rápida, confiáble y precisa de la información, por parte de usuários que accedan al sistema.

Palabras clave


Análisis documental de las imagenes; Archivo universitário; Documentación; Foto; Gestión de documentos; Metadatos; Repositorio institucional

Texto completo:

PDF

Referencias


ALBUQUERQUE, A. C. Catalogação e descrição de documentos fotográficos em bibliotecas e arquivos: uma aproximação comparativa dos códigos AACR2 e ISAD (G). 2006. 188 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2006.

ALVES, M. C. Manual para indexação de documentos fotográficos. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Departamento de Processos Técnicos, 1998.

ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12676/1992 - Métodos para análise de documentos – determinação de seus assuntos e seleção de termos de indexação. Rio de Janeiro: ABNT, 1992.

BIREME – Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde. DeCS – Descritores em Ciências da Saúde. São Paulo, [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2014.

BRASIL. Lei nº 8.501, de 09 de janeiro de 1992. Dispõe sobre a utilização de cadáver não reclamado, para fins de estudos ou pesquisas científicas e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 dez. 1992. p. 17208.

BRASIL. Lei nº 9.610, de 20 de fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 fev. 1998, p. 3.

BRASIL. Resolução CNS n° 441, de 12 de maio de 2011. Atualiza a complementação da regulamentação da Resolução CNS n° 196/96 no que diz respeito ao armazenamento e à utilização de material biológico humano com finalidade de pesquisa. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 mai. 2011.

BRASIL. Portaria n° 2.201, de 14 de setembro de 2011. Estabelece as Diretrizes Nacionais para Biorrepositório e Biobanco de material biológico humano com finalidade de pesquisa. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 set. 2011.

BRASIL. Lei nº 12.853, de 14 de agosto de 2013. Dispõe sobre a gestão coletiva de direitos autorais e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 ago. 2013, p. 3.

CARPES, F. S.; FLORES, D. O arquivo universitário e a memória da universidade. Informação & Sociedade: Estudos, v. 23, n. 3, p. 13-22, 2013.

CR/FM/UnB. CÂMARA DE REPRESENTANTES DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Resolução n° 1, de 26 de junho de 2012. Regulamenta, no âmbito da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (FM/UnB), de condutas para recebimento de cadáveres e peças anatômicas, para responsabilidade de sua guarda (enquanto esses permanecerem na instituição) e relacionadas à destinação final dos corpos ou de suas partes, em conformidade com a legislação vigente. Faculdade de Medicina, Brasília, DF, 20 jun. 2012. p. 4.

CONARQ. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Carta para a preservação do patrimônio arquivístico digital brasileiro: preservar para garantir o acesso, 2005. Disponível em: . Acesso em: 07 maio 2016.

DIDIO, L. J. A. Biografia do professor Renato Löcchi: um gigante das ciências anatômicas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1986.

DURANTI, L. The concept of appraisal and archival theory. American Archivist, v. 57, Spring, 1994.

DURANTI, L. Reliability and authenticity: the concepts and their implications. Archivaria, n. 39, p. 5-10, 1995.

FMA. Metatesauros digital Foundational Model Explorer of Anatomy Ontology. Anatomist Foundational Model of Anatomy ontology. Washington, [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 06 jul. 2014.

GOODSELL, D. S. The machinery of life. 2 ed. New York: Springer, 2010.

HENNING, P. C.; GUIMARÃES, M. C. S. Acesso livre à informação científica: os repositórios institucionais portugueses da área da saúde e algumas contribuições para o Brasil. In: XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB), 2013, Florianópolis. Comunicação oral ... Florianópolis: UFSC, 2013.

LACERDA, A. L. Os sentidos da imagem: fotografias em arquivos pessoais. Rio de Janeiro: Acervo, v. 6, n. 1/2, p. 41-54, jan./dez. 1993.

LATHAM, K. F. Museum object as document: using Buckland’s information concepts to understand museum experiences. Journal of Documentation, v. 68, n. 1, p. 45-71, 2012.

LEVACOV, M. Bibliotecas virtuais: (r)evolução? Ciência da Informação, v. 26, n. 2, 1997.

MANINI, Miriam P. Análise documentária de fotografias: um referencial de leitura de imagens fotográficas para fins documentários. São Paulo, 2002. Tese (doutorado) – Escola de Comunicações e Artes, USP.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS. Gabinete do Promotor de Justiça. Portaria nº 1, de 23 de junho de 2010. Atualiza o protocolo para destinação e utilização de cadáveres e de partes do corpo humano para o ensino e a pesquisa científica. Diário de Justiça da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 jun. 2010, p. 37.

MUSEU Virtual de Anatomia Humana. Desenvolvido pela Área de Morfologia da UnB. Disponível em: . Acesso em: 07 maio. 2016.

O’MALLEY, C. D.; SAUNDERS, J. B. De C. M. Os cadernos anatômicos de Leonardo da Vinci. Cotia: Ateliê Editorial, p. 7-8, 2012.

ROCHA, C. L; RAMOS, M. H. C.; SILVA, M.; RONDINELLI, R. C.; GOUGET, A. G. Gestão arquivística de documentos eletrônicos. Rio de Janeiro: CONARQ, 2004.

ROSSETTI, A. G.; MORALES, A. B. T. O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciência da Informação, v. 36, n. 1, 2007.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. Um diálogo entre arquivo, conhecimento e tecnologia. Biblios, n. 60, 2015.

SANTOS, V. B. Preservação de documentos arquivísticos digitais. Ciência da Informação, v. 41, n. 1, p. 114-126, 2012.

SHINTAKU, M.; MEIRELLES, R. Manual do DSPACE: administração de repositórios. Salvador: EDUFBA, 2010.

SMIT, J. W. Análise documentária: a análise da síntese. 2 ed. Brasília: IBICT, 1989.

SMIT, J. W. A representação da imagem. Informare, v. 2, n. 2, p. 28-36, 1996.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANATOMIA. Terminologia anatômica. São Paulo: Ed. Manole Ltda., 2001.




DOI: https://doi.org/10.5195/biblios.2019.433

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2019 Lorenna Cardoso Rezende, Jussara Rocha Ferreira, Miriam Paula Manini

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.