La teoría de los juegos y la mediación de la información: una propuesta de contribución estratégica para organizaciones

Heloá Cristina Camargo de Oliveira, Juliete Susan Ferreira de Souza, Marta Lígia Pomim Valentim, Oswaldo Francisco de Almeida Júnior

Resumen


Objetivo. Se discute el papel que la mediación de la información puede tener en el contexto de la Teoría de los Juegos, cuyo enfoque se refiere al concepto de competición. Se presentan algunos aspectos que pueden ser pertinentes para que las organizaciones se adecuen a la realidad del mercado actual, enfocando la mediación de la información en la perspectiva de la Teoría de los Juegos.

Método. Se presenta un rescate teórico de la Teoría de los Juegos en lo que compete a la distribución de la información y del conocimiento, y de la mediación y apropiación de la información.

Resultados. Después de los rescates teóricos fue posible abordar la aplicabilidad de la Teoría de los Juegos en el ámbito de la mediación de la información y de la apropiación de la información, en el intento de demostrar los posibles beneficios de ese diálogo. Se concluye que la mediación si bien no puede ser utilizada en conjunto en la Teoría de los Juegos, sí podría contribuir significativamente para que esta ocurra de manera plena y provechosa para las partes involucradas.

Palabras clave


Ambientes organizacionales; Apropiación de la información; Mediación de la Información; Teoría de los Juegos

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ALMEIDA JÚNIOR, O. F. de. Mediação da informação. 2013. [Slides de Aula de Pós-Graduação em Ciência da Informação].

________. Leitura, mediação e apropriação da informação. In: SANTOS, J. P. dos (Org.). A leitura como prática pedagógica na formação do profissional da informação. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2007. p.33-45.

________. Mediação da informação e múltiplas linguagens. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v.2, n.1, jan./dez. 2009.

________. Mediação da informação. 2014. [Webconferência]. Disponível em: http://www.contentmind.com.br/cursos/mediacao-da-informacao/ . Acesso em: 12 fev. 2016.

ANGELONI, M. T.; GROTTO, D. A influência na cultura organizacional no compartilhamento do conhecimento. Faces: Revista de Administração, Belo Horizonte, v.8, n.2, p.76-93, abr./jun. 2009.

BARRETO, A. de A. Mediações digitais. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v.10, n.4, ago. 2009.

BARRETO, A. de A. A questão da informação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.8, n.4, p.3-8, out./dez. 1994.

BONMANN, R. D.; BENÍTEZ, Z. R. A importância das relações dialógicas no compartilhamento do conhecimento organizacional. [s.n.t.]. 15p. Disponível em: https://www.yumpu.com/pt/document/view/39727696/a-importancia-das-relacoes-dialogicas-no-fiesc . Acesso em: 12 fev. 2016.

BORTOLIN, S. Mediação oral da literatura: a voz do bibliotecário lendo ou narrando. 2010. 233f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Estadual Paulista (Unesp), Marília, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/103349 . Acesso em: 12 fev. 2016.

CASAROTTO FILHO, N.; PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local: estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

CONTRACTOR, F. J.; LORANGE, P. Why should firms cooperate? The strategy and economics basis for cooperative ventures. In: CONTRACTOR, F. J.; LORANGE, P. (Orgs.). Cooperative strategies in international business. Lanham (MD): Lexington Books, 2002. 544p.

COSTA, E. A. da; BOTTURA, C. P. A matriz de jogos estratégicos (MJE) como uma nova ferramenta para gestão estratégica via teoria dos jogos. Sistemas & Gestão, Rio de Janeiro, v.1, n.1, p.17-41, jan./abr. 2006.

CUNHA, M. B. da; CAVALCANTI, C. R. de O. Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2008. 451p.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998a. 316p.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Working knowledge: How organizations manage what they know. Boston: Harvard Business School Press, 1998b.

DYER, J. H.; NOBEOKA, K. Creating and managing a high performance knowledge sharing network: The Toyota case. Strategic Management Journal, Sussex, v.21, n.3, p.345-367, Mar. 2000.

FIANI, R. Teoria dos jogos: com aplicação em economia, administração e ciências sociais. 2.ed. São Paulo: Campus, 2006. 388p.

GUARALDO, T. de S. B. Práticas de informação e leitura: mediação e apropriação da informação nas cartas de leitores de um jornal popular do interior de São Paulo. 2013. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Estadual Paulista (Unesp), Marília, 2013.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990.

IPE, M. Knowledge sharing in organizations: A conceptual framework. Human Resource Development Review, v.2, n.4, p.337-359, dec. 2003.

LACOMBE, F.; HEILBORN, G. Princípios e tendências. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

MAIA, M. A. Q. et al. O bibliotecário como mediador no processo de transferência da informação para pessoas com deficiência visual. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (CBBD), 24., 2011. Anais Eletrônico... Maceió: FEBAB, 2011.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 3.ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

NALEBUFF, B. J.; BRANDENBURGER, A. M. Co-opetição. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

PEREIRA, M. J. L. B.; FONSECA, J. G. M. Faces da decisão: abordagem sistêmica do processo decisório. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

RAMOS, A. G. Modelos de homem e teoria administrativa. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.18, n.2, p.3-12, abr./jun. 1984.

SAUAIA, A. C. A.; KALLÁS, D. O dilema cooperação-competição em mercados concorrenciais: o conflito do oligopólio tratado em um jogo de empresas. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v.11, n. especial, p.77-101, 2007.

SPENGLER, F. M. Mediação: um retrospectivo histórico, conceitual e teórico. In: SPENGLER, F. M.; SPENGLER NETO, T. (Orgs.). Mediação enquanto política pública: a teoria, a prática e o projeto de lei. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2010. p.17-57.

STENMARK, D. Leveraging tacit organizational knowledge. Journal of Management Information Systems, Armonk, v.17, n.3, p.9-24, Winter 2000-2001.

VALENTIM, M. L. P. Cultura organizacional e gestão do conhecimento. Londrina: InfoHome, 2003. 2p. Disponível em: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo_print.php?Cod=70 . Acesso em: 12 fev. 2016.

VITORINO FILHO, V. A.; SACOMANO NETO, M.; SPERS, E. E. Escolas do pensamento estratégico: uma contribuição a partir da Teoria dos Jogos. Internext: Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPN, São Paulo, v.4, n.2, p.19-31, jul./dez. 2009.

WINCKLER; N. C.; MOLINARI, G. T. Competição, colaboração, cooperação e coopetição: revendo os conceitos em estratégias interorganizacionais. Revista ADMPG Gestão Estratégica, v.4, n.1, p.1-12, 2011.

ZAMPESE, E. R. de S.; ZILBER, M. A. Estudo de caso de coopetição no compartilhamento de infraestrutura entre operadoras de telecomunicações no Brasil. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS. Anais Eletrônico... São Paulo: SIMPOI, 2011. Disponível em: http://www.simpoi.fgvsp.br/arquivo/2011/artigos/E2011_T00012_PCN69912.pdf . Acesso em: 12 fev. 2016.




DOI: https://doi.org/10.5195/biblios.2018.399

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2018 Heloá Oliveira Del Massa

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.