Servicio de información como factor de ventaja competitiva en las organizaciones

Gregório Jean Varvakis Rados, Danielly Oliveira Inomata, Dorzeli Salete Trzeciak, Maurício Cordeiro Manhães

Resumen


El presente artículo tiene como objetivo discutir la relevancia de los servicios de información como factor de ventaja competitiva para las organizaciones, enfocadas en el proceso de Inteligencia Competitiva. Se trata de un estudio exploratorio, con abordaje cualitativo, que utiliza la investigación bibliográfica como procedimiento técnico para el levantamiento de datos. Se trabaja en base a los aportes teóricos de la Ciencia de la Información; en especial, de la Gestión de la Información, teniendo como perspectiva la existencia de un proceso sistemático de planificación, recolección, análisis y diseminación de la información para apoyar la toma de decisión de las organizaciones. Se discute que, para las actividades de análisis y diseminación de la información existen outputs que pueden ser llamados de servicios informacionales, cuya finalidad es identificar las necesidades de información y garantizar la disponibilidad y el acceso a la información en el formato y tiempo adecuados. Los resultados indican que: la información y el conocimiento son insumos esenciales en el proceso de toma de decisiones de las organizaciones; en el proceso de inteligencia competitiva las etapas de análisis y diseminación son las más críticas, y deben ser trabajadas en el sentido de garantizar el acceso a la información para la acción; las organizaciones tienen dificultades para procesar y usar información y deben, por lo tanto, priorizar el consumo y no el stock; los servicios de información agregan valor al proceso de inteligencia competitiva, contribuyendo a la competitividad de la organización. Concluye que los servicios de información son indispensables para que los procesos de IC puedan agregar valor y, consecuentemente, impactar positivamente las acciones de la organización.

Palabras clave


Servicios de información ; Inteligencia competitiva ; Ventaja competitiva

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ABRAIC. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ANALISTAS DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA. [2016]. Disponível em: <abraic.org.br>.

ABREU, A. F et al. Inteligência competitiva. In: CORAL, E.; OGLIARI, A.; ABREU, A. F. Gestão integrada da inovação: estratégia, organização e desenvolvimento de produtos. São Paulo: Atlas, 2008. Cap. 6, p. 113-135.

AMARAL, R. M. et al. Base de referências para o mapeamento de competências em inteligência competitiva. In: ABRAIC. Prêmio de inovação em Inteligência competitiva. Brasília: ABRAIC / FINEP, 2005. p. 69-97. Caderno 2.

BADR, A.; MADDEN, E.; WRIGHT, S. The contribution of CI to the strategic decision making process: Empirical study of the European pharmaceutical industry. Journal of Competitive Intelligence & Management, v. 3, n. 4, p. 15–35, 2006.

BAIERLE, I. C. et al. O ciclo da produção de inteligência como apoio à estratégia de tomada de decisão organizacional. Revista Produção Online. Florianópolis, SC, v.11, n. 4, p. 1086-1113, out./dez. 2011.

BORGES, M. E. N.; CARVALHO N. G. M. Produtos e serviços de informação para negócios no Brasil: características. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 1, p. 76-81, jan./abr. 1998.

CANONGIA, C. et al. Foresight, inteligência competitiva e gestão do conhecimento: instrumentos para a gestão da inovação. Gestão & Produção, v. 11, n. 2, p. 231-238, maio/ago. 2004.

CAPUANO, E. A. et al. Inteligência competitiva e suas conexões epistemológicas com gestão da informação e do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 38, n. 2, p. 19-34, maio/ago. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19652009000200002>.

CARVALHO, E. L. Importância da gestão da informação para o processo decisório nas organizações. In: VALENTIM, M. L. P. (Org.). Informação, conhecimento e inteligência organizacional. 2. ed. Marília: FUNDEPE, 2006. cap. 5, p. 81-97.

CASTRO, A. C.; JANNUZZI, C. A. S. C.; MATTOS, F. A. M. Produção e disseminação de informação tecnológica: a atuação da Inova – Agencia de Inovação da UNICAMP. Transinformação, Campinas, v. 19, n. 3, p. 265-277, set./dez. 2007.

COELHO, G. M.; DOU, H. Inteligência competitiva e a formação de recursos humanos no Brasil. Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 23/24, n.4, p. 455-472, especial 1999/2000.

COHEN, M. F. Alguns aspectos do uso da informação na economia da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 3, p. 23-36, set./dez. 2002.

COSTA, M. D. Procedimentos para aplicação de mapas semânticos como estratégia para criação do conhecimento organizacional. 2003. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

DHOLAKIA, N.; MUNDORF, N.; DHOLAKIA, R. R. Novos serviços de informação e comunicação: um quadro de referência estratégica. Ciência da Informação, Brasília, v. 26, n. 3, 1997.

DOU, H.; DOU JÚNIOR, J. M. Innovation management technology: experimental approach for small firms in a deprived environment. International Journal of Information Management, v. 19, p. 401-412, 1999.

DRUCKER, P. Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira; São Paulo: Publifolha, 1999.

EDMAN, K. W. Exploring Overlaps and Differences in Service Dominant Logic and Design. Designforskning.no, p.1 – 12, 2009.

EDVARDSSON, B.; GUSTAFSSON, A.; ROOS, I. Service portraits in service research: a critical review. International Journal of Service Industry Management, v. 16, n. 1, p. 107–121, 2005.

FLEISHER, C. S. An introduction to the management and practice of competitive intelligence (CI). In. FLEISHER C. S.; BLENKHORN, D. L. (Eds.) Managing frontiers in competitive intelligence, 2001, p. 3-18.

FLEISHER, C. S.; WRIGHT, S. Examining differences in competitive intelligence practice: China, Japan, and the West. Thunderbird International Business Review, v. 51, n. 3, p. 249-261, 2009.

FOSKETT, D. J. Serviço de informação em bibliotecas. São Paulo: Polígono, 1969.

FOSTER A. Business information review. SAGE Publications, Los Angeles, v. 25, n. 1, p. 13–31, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2002.

GOMES, E.; BRAGA, F. Inteligência competitiva: como transformar informação em um negócio lucrativo. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

HARRINGTON, H. J. Aperfeiçoando Processos Empresariais. São Paulo: MAKRON Books, 1994.

HERRING, J. Business intelligence in Japan and Sweden: Lessons for the US. Journal of Business Strategy, v. 13, n. 2, p. 44–49, 1992.

IKEYA, N.; ISHIKAWA, H. The Japanese intelligence culture. Competitive Intelligence Review, v. 12, n. 4, 51–56, 2001.

KAHANER, L. Competitive intelligence: how to gather, analyze, and use information to move your business to the top. New York: Simon & Simon & Schuster, 1998. 300p.

LEGG, S.; HUTTER, M. Universal intelligence: A definition of machine intelligence. Minds and Machines, v. 17, n. 4, p. 391-444, 2007.

LOVELOCK, C.; WRIGHT, L. Serviços: marketing e gestão. São Paulo: Saraiva, 2002.

MENEZES, E. M. Inteligência competitiva: uma revisão de literatura. Revista Digital de Biblioteconomia & Ciência da Informação, v. 3, n. 1, p. 103-130, 2005.

MERLO VEGA, J. A. El servicio bibliotecário de referencia. Anales de Documentación, Salamanca, n. 3, p. 93-126, 2000.

MILLER, J. Millennium intelligence: understanding and conducting intelligence in the digital age. New Jersey: CyberAge Books, 2000.

MILLER, J. P. O processo de inteligência: como funciona, seus benefícios e sua situação atua. In: MILLER, J. P. O milênio da inteligência competitiva. Porto Alegre: Bookman, 2002, p. 32-52.

RAMOS, H. C.; CARVALHO, F.; CUNHA, M. B. Avaliação do uso do serviço de respostas técnicas: um serviço de informação destinada à microempresa brasileira. Ciência da Informação, Brasília, v. 35, n. 3, p. 255-269, set./dez. 2006.

RODRIGUES, L. C.; RISCAROLLI, V.; ALMEIDA, M. I. R. Inteligência competitiva no Brasil: um panorama do status e função organizacional. Revista Inteligência Competitiva, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 63-85, abr./jun. 2011.

ROSSI, J. F. J.; PASSARINI, L. C.; FARIA, L. I. L. Aplicação do software Zotero para apoiar a prática de inteligência competitiva. Revista Digital de Biblioteconomia & Ciência da Informação, v. 10, n. 1, 2012. Disponível em: <http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/548>.

ROZADOS, H. B. A informação científica e tecnológica e os serviços de informação. Revista Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 16, n. 1, p. 65-82, 2006.

SANTOS, E. L.; NASSIF, M. E. Os profissionais de inteligência competitiva no Brasil: habilidades, competências e demandas do mercado. Revista PRISMA.COM, n. 15, p. 1- 24, 2012.

SANTOS, R. N. M. Métodos e ferramentas para gestão de inteligência e do conhecimento. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, p. 205-215, jul./dez. 2000.

SANTOS, R. N. M. Processos, métodos e ferramentas de inteligência competitiva: características, aplicabilidade e limitações. Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 23-24, n. 4, p. 493-508, 2000.

SANTOS, V. F. Resposta técnica: proposta de metodologia para os agentes do SEBRAE da Região Centro-Oeste. Ciência da Informação, Brasília, v. 26, n. 1, p. 28 – 38, jan./abr. 1997.

SILVA, A. B. O. O sistema de informações estatísticas no Brasil e as relações entre seus produtores e usuários. Ciência da Informação, Brasília, v. 34, n. 2, p. 62-69, maio/ago. 2005.

SILVA, E. G. S.; MARINHO, R. R. Serviço de informação: um instrumento para a integração universidade-empresa. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 12., 2002. Recife. Anais... Recife: [s.n.], 2002.

SOUZA, B. A.; SANTOS, E. T. Contribuição dos bibliotecários e cientista da informação no processo de geração de inteligência competitiva nas organizações: visto a partir das publicações nos periódicos da área. Revista ACB, v. 17, n. 2, 2012. Disponível em: <https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/833>.

TARAPANOFF, K. (Org.). Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Ed. da UNB, 2001.

TARAPANOFF, K. Informação, conhecimento e inteligência em corporações: relações e complementaridade. In: ______ (Org.). Inteligência, informação e conhecimento. Brasília: IBICT; UNESCO, 2006. p. 19-35.

TRZECIAK, D. S. Modelo de observatório para arranjos produtivos locais. 2009. 234 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

TYSON, K. Guide to competitive intelligence: gathering, analyzing, and using competitive intelligence. Chicago: Kirk Tyson, 1998.

VALENTIM, M. L. P. et al. O processo de inteligência competitiva em organizações. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 1-23, 2003.

VARGO, S. L.; LUSCH, R. F. Why “service”? Journal of the Academy of Marketing Science, v. 36, n. 1, p. 25-38, 2007.

XINZHOU, X.; XUEHUI, J. The evolution of competitive intelligence in China. Journal of Intelligence Studies in Business, v. 1, n. 1, 2011. Disponível em: <https://ojs.hh.se/index.php/JISIB/article/view/15>.




DOI: https://doi.org/10.5195/biblios.2016.318

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Gregório Jean Varvakis Rados, Danielly Oliveira Inomata, Dorzeli Salete Trzeciak, Maurício Cordeiro Manhães

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.