Aplicación de mapas conceptuales como herramientas didáctico-pedagógicas en el área de recursos y servicios de información

Maria Giovanna Guedes Farias, Gabriela Belmont de Farias

Resumen


Objetivo. Analizar el uso de mapas conceptuales como herramientas didáctico-pedagógicas, a partir de una experiencia realizada en la sala de aula, en las disciplinas Fuentes Especializadas y Servicios de Información del curso de Bibliotecología. Método. El abordaje metodológico se caracteriza por su naturaleza aplicada, exploratória y de observación. Los datos fueron recolectados de los alumnos por medio de la aplicación de cuestionário, y el análisis se realizó mediante la técnica de análisis de contenido. Resultados. La mayoría de los alumnos ven los mapas conceptuales como facilitadores de la construcción del conocimiento, y visualizan la utilización de estos en contextos diversos. Conclusiones. La utilización de mapas conceptuales como herramientas didactico-pedagógicas puede promover en los alumnos el potenciar lo aprendido y el reflexionar para establecer un recorrido para la construcción compartida de nuevos saberes, incorporando conocimientos previos y transformándolos para completar las lagunas cognitivas.

Palabras clave


Mapas conceptuales ; Herramientas didáctico-pedagógicas ; Bibliotecología ; Recursos y servicios de información

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ALMEIDA JÚNIOR, O. F. de. Mediação da informação e múltiplas linguagens. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, Brasília, v.2, n.1, p.89-103, jan./dez. 2009.

AUSUBEL, D. P. Educational psychology: a cognitive view. Nova York, Holt, Rienehart and Winston Inc., 1968.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: Uma perspectiva cognitiva, Lisboa: Editora Plátano, 2003.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero reto e Augusto Pinheiro. Edição e revista atualizada. Lisboa: Edições 70, LDA, 2009.

BELLUZZO, R. C. B. Construção de mapas: desenvolvendo competências em informação e comunicação. 2. ed. Bauru: Cá entre Nós, 2007. v. 1. 111p.

BELLUZZO, R. C. B. O uso de mapas conceituais e mentais como tecnologia de apoio à gestão da informação e da comunicação: uma área interdisciplinar da competência em informação. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação: Nova Série, São Paulo, v.2, n.2, p.78-89, dez. 2006.

BESSA, V. H. Teorias da aprendizagem. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2008.

DERVIN, B. An overview of sense-making research: concepts, methods and results to date. In: INTERNATIONAL COMMUNICATIONS ASSOCIATION ANNUAL MEETING. Anais... Dallas, Texas, 1983. Disponível em: . Acesso em: 02 abril 2014.

DERVIN, B. Given a context by any other name: Methodological tools for taming the unruly beast. In: ______; Foreman-Wernet, L.; Lauterbach, E. (Eds.). Sense-making methodology reader: Selected writings of Brenda Dervin Cresskill, NJ: Hampton Press, 2003. p. 111–132.

FEUERSTEIN, R. Instrumental enrichment: an intervention program for cognitive modifiability. Baltimore: University Park Press, 1980.

FUNDAÇÃO LUÍS EDUARDO MAGALHÃES (FLEM). Capacitação de lideranças comunitárias: uma experiência de gestão compartilhada para o combate à pobreza. Salvador: Flem, 2004.

FRISON, L. M. B. Auto-Regulação da Aprendizagem. Revista Ciência e Conhecimento, São Jerônimo, v. 2, p. 1-14, 2007.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

GOMES, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994, p. 67-80.

GONÇALVES, Marcio. Abordagem sense-making na Ciência da Informação: uma breve contextualização. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v.9, n.2, p.1-11, jan. /jun. 2012.

HJØRLAND, Birger; ALBRECHTSEN, Hanne. Toward a new horizon in information science: domain-analysis. Journal of the American Society of Information Science, v.46, n.6, p. 400-425, 1995.

LEWIN, Kurt. Teoria de Campo em Ciência Social. São Paulo: Pioneira, 1965.

LIMA, V. M. A. A organização do conhecimento no domínio da Ciência da Informação: o mapa conceitual e terminológico como instrumento referencial para o ensino e a pesquisa. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, p. 26-48, jan./jun. 2013.

MARTINS, Ana A. L. Mediação informacional: uma perspectiva a partir do campo social da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 14., 2013, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2013.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

NASCIMENTO, Denise M.; MARTELETO, Regina M. A informação construída nos meandros dos conceitos da teoria social de Pierre Bordieu. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, Porto Alegre, v.5, n.5, out. 2004.

NOVAK, J. D.; GOWIN, B. Aprender a aprender. 2. ed. Lisboa: Plátano, 1999.

PELIZZARI, A.; et al. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista de Psicologia, Educação e Cultura, Curitiba, v.2, n.1, p.37-42, jul. 2001 – jul. 2002.

PIAGET, J. Discours du directeur du Bureau international d’éducation. In: TREIZIEME CONFERENCE INTERNATIONALE DE L’INSTRUCTION PUBLIQUE. Procès-verbaux et recommandations. Genebra: Bureau international d’éducation, 1950.p. 35-36.

QUEIROZ, M. I. P. de. Variações sobre a técnica de gravador no registro de informação viva. São Paulo: T.A. Queiroz, 1991. (Biblioteca básica de ciências sociais. Série 2. Textos; v.7).

SOUZA, N. A. de; BORUCHOVITCH, E. Mapas conceituais: estratégia de ensino/aprendizagem e ferramenta avaliativa. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.26, n.03, p.195-218, dez. 2010.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2000.

TORRES, Márcia Zampieri. Situações-problema como recurso de avaliação de competências no Enem. In: Ministério da Educação. (Org.). Eixos cognitivos do Enem, Brasília, 2007, p. 31-53.

TRIBUS, Myron. Bridging in Both Directions. 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 março 2014.




DOI: https://doi.org/10.5195/biblios.2016.281

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Maria Giovanna Guedes Farias, Gabriela Belmont de Farias

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.